07/09/1965 – Brasil 3 x 0 Uruguai

Tupãzinho marca um dos gols da vitória brasileira contra os uruguaios;
Crédito: globoesporte.globo.com/Arquivo-do-Palmeiras
Ficha Tecnica
Brasil 3 x 0 Uruguai
International Friendly: Brazil 3 – 0 Uruguay
Ficha Técnica
• Competição (Tournament): Amistoso Oficial (Official Friendly)
• Data (Date): Terça-Feira, 7 de Setembro de 1965
• Estádio (Stadium): Magalhães Pinto – Mineirão, em Belo Horizonte/MG
• Público (Attendance): cerca de 80.000 pagantes – Renda: Cr$ 49.163.125,00
• Árbitro (Referee): Eunápio de Queirós (Brasil / Brazil)
• Assistente 1 (Assistant Referee 1): Cláudio Flávio Magalhães (Brasil / Brazil
• Assistente 2 (Assistant Referee 2): Frederico Lopes (Brasil / Brazil
• Quarto Árbitro (Fourth Oficial): Sem Registro (No Registry)
Advertências | Cautions | Sent Off Advertências | Cautions | Sent Off
Sem Registro (No Registry) Sem Registro (No Registry)
Gols | Goals | Goles Gols | Goals | Goles
1-0 Rinaldo, aos 27’/1º
2-0 Tupãzinho, aos 35’/1º
3-0 Germano, aos 29’/2º
Brasil – Brazil Uruguai – Uruguay
Go
Df
Df
Df
Df
Mc
Mc
At
At
At
At
01 Waldir de Moraes (Picasso)
02 Djalma Santos
03 Djalma Dias
05 Valdemar Carabina © (Procópio)
06 Ferrari
04 Dudu Oliveira (Zequinha)
10 Ademir da Guia
07 Julinho Botelho (Germano)
08 Servílio de Jesus
09 Tupãzinho (Ademar Pantera)
11 Rinaldo (Dário)
Go
Df
Df
Df
Df
Mc
Mc
At
At
At
At
Walter Taibo (Carlos Fogni)
Héctor Cincunegui (Miguel de Britos)
Jorge Manicera
Luis Alberto Varela
Omar Caetano
Raúl Núñez (Homero Lorda)
Héctor Salvá
Horacio Franco
Héctor Silva (Orlando Virgili)
Vladas Douksas
Víctor Espárrago (Julio César Morales)
Coach: Filpo Nuñez Coach: Juan López
Df
Mc
Mc
At
Go
At
Procópio Cardoso, no Intervalo
Zequinha Ferreira, no Intervalo
Germano Sales, no Intervalo
Dário, aos 20’/2º
Picasso, aos 31’/2º
Ademar Pantera, aos 35’/2º
At
At
Go
Mc
Df
Orlando Virgili, no Intervalo
Julio César Morales, no Intervalo
Carlos Bogni, aos 29’/2º
Homero Lorda, aos 29’/2º
Miguel de Britos
Tempo Regulamentar Prorrogação Penalidades
1º T 2º T Final 1º T 2º T Final Normal Altern Final
2 x 0 1 x 0 3 x 0
• Este jogo marcou a inauguração do estádio Governador Magalhães Pinto, Mineirão;
• A seleção brasileira foi reperesentada pelo time da Sociedade Esportiva Palmeiras;
• O argentino Nélson Ernesto Filpo Núñez tornou-se o 1º estrangeiro a comandar a seleção;
# Links Externos (Externa Links): www.soccernostalgia.blogspot.com.br/hungary-v-brazil
# Links Externos (Externa Links): www.11v11.com/hungary/opposingTeams/opposition/Brazil
# Links Externos (Externa Links): www.eu-football.info/matches/hungary-v-brazil
# Links Externos (Externa Links): www.magyarfutball.hu/1986-03-16/magyarorszag-brazilia

.:: Galeria de Imagens ::.
Em pé da Esquerda para a Direita: Waldir, Servílio, Julinho, Waldemar Carabina, Ademir da Guia, Djalma Dias, Djalma Santos, Rinaldo, Ferrari, Dudu e Tupãzinho;
Crédito: associacaoportuguesadesportos.blogspot.com.br
Em pé: Ferruccio Sandoli (diretor), Djalma Santos, Waldir de Moraes, Waldemar Carabina, Dudu, Filpo Núñez (técnico), Djalma Dias, Ferrari e um outro diretor; Agachados: Romeu (mordomo), Julinho Botelho, Servílio, Tupãzinho, Ademir da Guia, Rinaldo e Reis (massagista);
Crédito: associacaoportuguesadesportos.blogspot.com.br
Estádio Govarnador Magalhães Pinto, Mineirão, na época da inauguração;
Crédito: www.agenciaminas.noticiasantigas.mg.gov.br

Crônica da Partida

A primeira partida entre Brasil e Uruguai em Minas Gerais, realizada no dia 7 de setembro de 1965, marcou a inauguração do Estádio Magalhães Pinto, o Mineirão. Além disso, o duelo, que terminou com vitória do Brasil por 3 a 0, ficou marcado pelo fato de que a Seleção Brasileira foi representada inteiramente pelos jogadores e pela comissão técnica do Palmeiras na época. Todos os atletas que vestiram a camisa amarelinha na ocasião defendiam o Palmeiras.

Na época, o Verdão vivia a Primeira Academia e era considerado um dos melhores times do país ao lado do Santos de Pelé. O Alviverde acabou entrando para a História como o primeiro clube brasileiro a representar a seleção canarinho do goleiro ao roupeiro, do ponta-esqueda ao massagista.

Sob o comando do técnico argentino Filpo Nuñes, o Palmeiras tinha em seu elenco grandes nomes do futebol brasileiro, como Dudu, Julinho Botelho, Valdir de Moraes, Djalma Santos, Djalma Dias, Tupãzinho e Ademir da Guia. Vale ressaltar que a partida de abertura do mineirão marcou a única vez em que um estrangeiro comandou a Seleção Brasileira no banco de reservas

O Uruguai, por sua vez, havia acabado de garantir a classificação para a Copa do Mundo de 1966 de forma invicta. A seleção celeste contava com muitos atletas do Peñarol (campeão da Libertadores em 1960, 1961 e 1966) e do Nacional (vice-campeão da Libertadores em 1964 e 1967). Os principais jogadores uruguaios eram Manicera (que depois veio a jogar no Flamengo), Cincunegui (ídolo do Atlético-MG no fim da década de 60), Varela, González e Esparrago.

A partida foi marcada por bastante equilíbrio, mas o Palmeiras-Brasil conseguiu se sobressair, principalmente no segundo tempo. Sob olhares atentos de 80 mil pessoas, o Alviverde marcou com Rinaldo (pênalti), Tupãzinho e Germano e garantiu o triunfo do Brasil na inauguração do estádio Mineirão. www.foxsports.com.br


.:: Deixe um Comentário ::.
Se você gostou desse post ou do site indique para seus amigo.
Deixe uma crítica ou uma sugestão.

Anúncios

Deixe um Comentário, uma opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: