2 de Junho de 2004 – Brasil 3 x 1 Argentina

Com três gols de pênalti de Ronaldo, Brasil derrota Argentina no Mineirão;
Credit: www.argosfoto.photoshelter.com
Ficha Tecnica
Brasil 3 x 1 Argentina
Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006
Ficha Técnica
• Competição (Tournament): Eliminatórias da Copa do Mundo de 2006 – 6ª Rodada
• Data (Date): Quarta-Feira, 2 de Junho de 2004, as 21:45 hs (de Brasilia)
• Estádio (Stadium): Mahalhães Pinto “Mineirão”, Belo Horioznte/MG
• Público (Attendance): cerca de 60.000 expectadores
• Árbitro (Referee): Oscar Julián Ruiz (Colômbia / COL)
• Assistente 1 (Assistant Referee 1): Eduardo Botero (Colômbia / COL)
• Assistente 2 (Assistant Referee 2): Carlos Sierra (Colômbia / COL)
• Quarto Árbitro (Fourth Oficial): Henry Cervantes (Colômbia / COL)
Advertências | Cautions | Sent Off Advertências | Cautions | Sent Off
Cafu, aos 35’/1º Javier Mascherano, aos 32’/1º
Zé Roberto, aos 39’/1º Pablo Aimar, aos 35’/2º
Kaká, a 1’min/2º Javier Zanetti, aos 36’/2º
Pablo Cavallero, aos 48’/2º
Gols | Goals | Goles Gols | Goals | Goles
1-0 Ronaldo (pênalti), aos 15’/1º 1-2 Juan Pablo Sorín, aos 33’/2º
2-0 Ronaldo (pênalti), aos 21’/2º
3-1 Ronaldo (pênalti), aos 45’/2º
Brasil – Brazil Argentina
Go
Ld
Za
Za
Le
Mc
Mc
Mc
Mc
At
At
01 Dida
02 Cafu ©
03 Juan Silveira
04 Roque Júnior
06 Roberto Carlos
05 Edmilson
11 Zé Roberto
07 Juninho Pernambucano (J. Baptista)
08 Kaká (Alex)
10 Luis Fabiano (Edu)
09 Ronaldo Nazário
Go
Ld
Za
Za
Le
Mc
Mc
Mc
Mc
At
At
12 Pablo Cavallero
04 Facundo Quiroga
06 Walter Samuel
02 Gabriel Heinze
03 Juan Pablo Sorín
05 Javier Mascherano
08 Javier Zanetti
14 Luis “Lucho” González (Aimar)
18 Cristian “Kily” González
19 César Delgado (Rosales) (Saviola)
09 Hernán Crespo
Coach: Carlos Alberto Parreira Coach: Marcelo Bielsa
12
13
14
15
16
17
18
Júlio César (gk)
Juliano Belleti
Cris
Júlio Baptista, aos 29’/2º
Alex Souza, aos 29’/2º
Edu Gaspar, aos 47’/2º
Adriano Imperador
01
07
11
15
16
20
21
Roberto Abbondanzieri (gk)
Javier Saviola, aos 16’/2º
Carlos “Carlitos” Tévez
Diego Placente
Pablo Aimar, aos 16’/2º
Nicolás Burdisso
Mauro Rosales, aos 36’/1º (Saviola)
Tempo Regulamentar Prorrogação Penalidades
1º T 2º T Final 1º T 2º T Final Normal Altern Final
1 x 0 2 x 1 3 x 1
# Jogo válido pela Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006, na Alemanha;
# Brasil: Camisa Amarela, Calção Azul e Meias Brancas (Nike);
# Argentina: Camisa listrada em Azul-Branco, Calção e Meia Azul-Marinho;
# Links Externos (External Links): www.fifa.com/worldcup/archive/preliminaries
# Assisti esse jogo, ao vivo, pela TV Verdes Mares canal 10;

.:: Galeria de Imagens ::.
Em pé: Ronaldo, Dida, Juan, Edmilson, Roque Júnior e Cafu;
Agachados: Zé Roberto, Roberto Carlos, Luis Fabiano, Kaká e Juninho Pernambucano;
Credit: www.once-onze.narod.ru
Momento em que Ronaldo sofre pênalti do goleiro Cavallero;
Credit: www.argosfoto.photoshelter.com

Crônica do Jogo

Toque de bola, ritmo cadenciado, jogo de equipe, paciência. O futebol pregado pelo treinador Carlos Alberto Parreira foi ignorado na noite desta quarta-feira, em Belo Horizonte. Quem não deu para ser ignorado foi Ronaldo. Chamado de “gordo” antes da partida na capital mineira, o atacante marcou os três gols na vitória por 3 a 1 sobre os argentinos.

Com um jogo rápido, beirando o impaciente na maior parte do tempo, a seleção brasileira conseguiu, com a vitória, no estádio do Mineirão, assumir a liderança das eliminatórias da Copa. Os três gols convertidos por Ronaldo saíram em jogadas individuais em que ele próprio acabou derrubado. O lateral Sorín fez o gol argentino.

O astro do Real Madrid brilhou no palco que o consagrou há 11 anos. Revelado pelo Cruzeiro, em 1993, o atacante foi negociado com o PSV (Holanda) por US$ 6 milhões. À época franzino, o goleador foi o destaque do Campeonato Brasileiro daquele ano.

A vitória colocou o Brasil no topo da tabela de classificação para a Copa de 2006, com 12 pontos. A Argentina estacionou nos 11. O Paraguai tem 10.

O próximo compromisso brasileiro será diante do Chile, domingo (dia 6), em Santiago. Os adversários, que na terça-feira venceram a Venezuela por 1 a 0, somam dez pontos.

A vitória interrompeu a seqüência de empates do Brasil nas eliminatórias, que havia ficado no 1 a 1 com o Peru, 3 a 3 com o Uruguai e 0 a 0 com o Paraguai. Nos dois últimos amistosos, empate com a França (0 a 0) e goleada sobre Catalunha (5 a 2).

O tropeço do time de Marcelo Bielsa pôs fim à invencibilidade argentina no qualificatório. A seleção azul e branca não perdia havia 17 partidas. Era a maior série invicta dos ‘hermanos’, que foram derrotados pela última vez no primeiro turno das eliminatórias passadas, justamente para o Brasil: 3 x 1 no Morumbi.

E, segundo dados da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), a vitória selou o desempate entre as principais seleções do continente. Eram 33 vitórias para cada lado e 25 empates.

O hino nacional brasileiro, interpretado por Milton Nascimento e o ministro da Cultura, Gilberto Gil, com acompanhamento da Banda de Música da Polícia Militar de Minas Gerais e do conjunto afro Berimbrown, embalou a torcida no início da partida.

Jogando com velocidade, as seleções se lançaram ao ataque. Logo aos 5min, Luís Fabiano arrancou pela esquerda, livrou-se da marcação, mas errou ao tocar a bola. A Argentina respondeu com Sorín, aos 8min. O ex-lateral do Cruzeiro invadiu a área e foi travado antes do passe. Crespo, sozinho, esperava a bola.

Sem Ronaldinho Gaúcho, Kaká era o responsável pela armação do time, que não contou ainda com Lúcio (machucado) e Gilberto Silva (suspenso). Bielsa também não pôde escalar desde início o seu principal armador: Aimar. Riquelme e D’Alessandro, os reservas imediatos, foram cortados.

O primeiro gol aconteceu aos 16min. Em jogada individual de Ronaldo, o Fenômeno foi derrubado dentro da área. Pênalti. O atacante converteu, mas o árbitro Oscar Ruiz anotou invasão dos brasileiros e mandou voltar. Ofegante, o jogador do Real Madrid chutou praticamente no meio do gol.

Os torcedores que lotavam o Mineirão e cantavam músicas da baiana Ivete Sangalo – a musa da Copa de 2002 -, interromperam a festa a partir dos 15min. A Argentina passou a pressionar o Brasil e por pouco não empatou com Crespo, aos 17min. Dida impediu a finalização do artilheiro.

Sete minutos depois, Mascherano aproveitou cobrança de escanteio e desviou para o fundo das redes brasileiras. A arbitragem, porém, anulou o gol. Alegou que a bola saiu durante o chute. Aos 28min, Crespo cabeceou por cima da meta.

Bem marcado, Kaká pouco criou e o Brasil sentiu. Ameaçou em lances esporádicos com Luís Fabiano (que não alcançou a bola aos 25min, após cruzamento de Cafu) e Roberto Carlos (de falta, aos 32min).

O torcedor mineiro, impaciente, pediu a entrada de Alex, destaque do Cruzeiro. Para piorar, Zé Roberto recebeu cartão amarelo e não enfrentará o Chile no próximo domingo, em Santiago.

A Argentina, que aos 34min trocou Delgado (machucado) por Rosales, ainda na etapa inicial, ainda ameaçou com Sorín e Kily González. “O jogo não está bom. Eles pressionam muito”, advertiu Ronaldo, antes de descer para o vestiário.

O panorama do clássico não mudou no segundo tempo. O Brasil, pouco criativo, reclamou de um pênalti logo a 1min – Samuel puxou a camisa de Ronaldo. Os arqui-rivais arriscavam, mas sem a mesma objetividade.
Em dois chutes de Ronaldo, da entrada da área (7min e 12min), a seleção de Carlos Alberto Parreira ‘acordou’ os torcedores. Os tiros, no entanto, passaram longe da meta de Caballero.

Na tentativa de conseguir o empate, Bielsa sacou Rosales e Lucho Gonzáles. Entraram Saviola e Aimar (que reclamava de dores antes do jogo), respectivamente. Não funcionou.

Explorando os contra-ataques, os pentacampeões chegaram ao segundo gol de forma idêntica ao primeiro. Aos 22min, em arrancada de Ronaldo, Mascherano cometeu a falta. O defensor, que já havia recebido o amarelo, não foi expulso. O camisa 9, alheio à decisão do árbitro, cobrou com categoria e ampliou o placar. “Êo, êo, o Ronaldo e um terror!”, entoou o Mineirão.

A torcida, então, aproveitou para gritar ‘olé’ a cada toque do Brasil. Aos 26min, Edmílson roubou a bola e serviu Roberto Carlos, que disparou com violência. Passou muito perto.

Valente, a Argentina tentou descontar. E conseguiu com Sorín, aos 34min. O jogador do Paris Sain Germain finalizou após cruzamento pela direita. Aos 44min, o camisa 10 Luís Fabiano, depois do toque de Júlio Baptista, cabeceou em cima de Caballero.

Mas a noite era mesmo do Fenômeno. Esperto, o goleador entrou na área, deixou a perna e sofreu a terceira penalidade. Conclusão: 3 x 1 Brasil e o sexto gol do astro no qualificatório. “Ele continua sendo aquele jogador que faz a diferença”, destacou Parreira. (Fonte: uol.com.br)


.:: Deixe um Comentário ::.
Se você gostou desse post ou do site indique para seus amigo.
Deixe uma crítica ou uma sugestão.

Anúncios

Deixe um Comentário, uma opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: