3 Uniformes


.:: Uniformes ::.

Fornecedores de Material Esportivo da Seleção Brasileira
Athleta Adidas Topper Umbro Nike
de 1954 à 1977 de 1977 à 1980 de 1981 à 1990 de 1991 à 1996 desde 1997

.:: Evolução ::.

A Evolução dos Uniformes da Seleção
Ano Descrição
1914 Os primeiros uniforme da seleção brasileira era feito de algodão, o que hoje seria inaceitável, uma vez que essa fibra absorve água e umidade com muita facilidade. Ou seja, os calções ficavam molhados muito facilmente, causando desconforto. Isso sem contar que o peso do uniforme aumentava conforme os atletas corriam. Os primeiros calções eram ligeiramente folgados. O cós era relativamente alto e preso por um cordão e as pernas do “shorts” batiam na altura dos joelhos.
1930 O Brasil estreou na primeira Copa do Mundo com uma camisa branca que tinha amarração por cordões. O distintivo ainda era da CBD (Confederação Brasileira de Desportos)
1936 Calções esticados e tecido mais maleável e shorts de cintura bem alta. Em 1936, a moda entre os jogadores era usar o calção com a cintura bem alta, de modo a repuxar o tecido e deixar boa parte das coxas à mostra. Ainda se usava o cós preso por cordão. O time de 1939 entrou em campo vestindo calções bem mais curtos que de costume. A cintura continuava alta, mas o comprimento das pernas diminuiu consideravelmente. O modelo de 1939 se destaca pelo corte evasê das pernas, que prendia menos os movimentos dos jogadores.
1938 A nova camisa também era branca, mas apresentou novidades no design – o escudo da CBD ficou maior, e o uniforme abandonou os cordões e adotou gola “V”.
1945 Os calções ficaram ainda mais curtos e justos, a cintura já não era tão alta. Em 1949 a peça ganhou uma charmosa listra lateral.
1950 A seleção brasileira vestia um uniforme branco com uma camisa com gola polo azul. Com perda da copa dentro de casa o uniforme branco foi extinto pois achavam que dava azar.
1954 Finalmente a camisa ganhou a cor amarela e detalhes em verde. O modelo foi usado nos mundiais de 1958, 1962 e 1966.
Os anos 70 representaram uma revolução para os calções em termos de modelagem: surge o transgressor microshort masculino e camiseta no modelo gola canoa. De cintura baixa e comprimento curtíssimo, o calção ainda tinha uma costura que repuxava a lateral, deixando mais pele à mostra. A peça causou furor na época.
Essas mudanças tão drásticas tinham um motivo: permitir que os jogadores se movimentassem com mais vigor. Os microshorts seguiram com força até o final dos anos 80, quando o cordão do cós foi substituído por uma tira elástica.
1970 Para atuar nos gramados mexicanos, a seleção canarinho vestiu um modelo com gola canoa. À esquerda, o jogador Pelé ergue a taça Jules Rimet, conquistada pelo Brasil após a partida contra a Itália (4 a 1) na final da Copa de 1970, na Cidade do México.
1974 A camisa continuou com a gola canoa, mas ganhou 3 estrelas acima do distintivo da CBD, em referência aos títulos de 58, 62 e 70.
1977 Em 1977, ano em que a Adidas passou a confeccionar os uniformes da seleção, as três listras ficavam apenas nos calções.
1978 A seleção entrou em campo com uma camisa de manga comprida. O uniforme ganhou 3 listras nas laterais, em referência a um patrocinador, mas o logotipo da empresa ficou ausente.
1979 Em 1979, a sigla CBD deu lugar à CBF no símbolo e o uniforme trouxe um patrocinador estampado, o IBC.
1981 Em 1981, o símbolo da CBF mudou, sendo escolhido em um concurso na Escola de Belas Artes, no Rio.
1982 Na primeira Copa do Mundo disputada pelo Brasil sob a sigla CBF (Confederação Brasileira de Futebol), a camisa teve modificações significativas: o escudo tradicional deu lugar ao desenho da taça Jules Rimet, e um pequeno ramo de café foi adicionado ao distintivo, em referência ao Instituto Brasileiro do Café, que patrocinava a Confederação.
1986 Outra mudança foi a aplicação de logotipos das marcas patrocinadoras. O modelo retomou a gola polo, e o raminho de café foi usado dentro do escudo no início da Copa, mas depois, a pedido da Fifa (Federação Internacional de Futebol), foi retirado.
1987 Em 1987, a seleção brasileira atuou com o patrocínio da Coca-Cola na camiseta. Depois a FIFA proibiu.
Já em termos de modelagem, os calções da década de 90 são mais largos e consideravelmente mais compridos que os usados nos anos 70. As pernas são mais compridas, havendo uma pequena abertura lateral, a fim de que os jogadores pudessem correr mais livremente.
1990 Praticamente a mesma usada na Copa de 1986, a camisa só teve alteração na gola – o corte “V” foi mudado, deixando o modelo mais fechado na altura do pescoço.
1991 A partir de 1991, a Umbro passa a ser a fornecedora da seleção e o símbolo da
CBF volta às origens, com a cruz de malta no símbolo.
1994 O modelo teve modificações radicais. A camisa retomou o escudo tradicional, acompanhado do nome Brasil, e o novo patrocinador adotou uma marca d’água com três símbolos da CBF, simbolizando o tricampeonato mundial.
1995 Em 1995, a camisa da seleção tetracampeã ganhou a quarta estrela e a marca d’água passou a contar com quatro símbolos da CBF.
1997 Em 1997, a Nike passa a ser a fornecedora dos uniformes da seleção brasileira.
1998 A camisa apresentou gola canoa novamente e ganhou quatro estrelas acima do escudo, além de duas listras verdes nas mangas.
2002 A camisa ganhou gola amarela e o verde se destacou em detalhes do modelo. E também teve sorte com a vitória na copa do mundo.
2004 Em 2004, o símbolo da CBF veio para o centro da camisa e uma “bola de sinuca”
guardava o número do jogador.
2006 Com a vitória de 2002, a camisa passou a ter cinco estrelas acima do escudo, que ganhou um contorno. O modelo também apresentou estrelas na gola, além da frase “Nascido para jogar futebol” perto da barra.
2010 Com a ideia de vigor físico aliado à tecnologia, o uniforme traz a mais recente revolução nos calções que é tecnologia pura. O Pro-Combat Slider Short da Nike é uma peça superjusta, projetada para ser vestida sob o uniforme. O Slider Short foi desenvolvido para a Copa do Mundo de 2010 e oferece aos atletas mais conforto, proteção, mobilidade e adaptação aos diversos climas do continente africano.
A camisa apresentou design clássico – gola parecida com o modelo da Copa de 70, e as mangas ganharam uma listra verde.
# Crédito: www.abramaco.org.br
# Documento em PDF: www.brasileiro.ru/futbol/album/uniformes.pdf
# Outras Referências: www.wikipedia.org
# Uniformes em Copas do Mundo: globoesporte.globo.com/seleção-brasileira
# Evolução dos Uniformes: www.placar.abril.com.br/galeria
# Evolução dos Uniformes: globoesporte.globo.com/uniformes

Uniformes do Brasil na Copa América

Todos os Uniformes da Seleção Brasileira na Copa América
1916 1917 1917 1919 1920
1921 1922 1923 1925 1937 Unif 1
1937 Unif 2 1942 1945 Unif 1 1945 Unif 2 1946
1949 Unif 1 1949 Unif 2 1949 Unif 3 1953 Unif 1 1953 Unif 2
1956 1957 Unif 1 1957 Unif 2 1059 1959 Extra
1963 1975 Unif 1 1975 Unif 2 1983 Unif 1 1983 Unif 2
1987 Unif 1 1987 Unif 2 1989 Unif 1 1989 Unif 2 1991 Unif 1
1991 Unif 2 1993 Unif 1 1993 Unif 2 1995 Unif 1 1995 Unif 2
1997 Unif 1 1997 Unif 2 1999 Unif 1 1999 Unif 2 2001 Unif 1
2001 Unif 2 2004 Unif 1 2004 Unif 2 2009 Unif 1 2009 Unif 2
2011 Unif 1 2011 Unif 2
Anúncios

Deixe um Comentário, uma opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: